quinta-feira, 12 de junho de 2014

Rust Cohle


Quando comecei a assistir True Detective esperava uma boa série, mas acabo me deparando com uma das melhores séries que já assisti e com a certeza de como as produções cinematográficas ainda podem surpreender e não tem muita previsão de "falta de conteúdo".
A série se desenvolve em torno de dois detetives que investigaram um caso de um serial killer e 17 anos depois têm que prestar depoimentos à polícia sobre esse caso, tendo suas vidas mais uma vez interligadas. O fato da série ser narrada em períodos de tempo diferentes traz um dos seus maiores atrativos, a questão do mistério e do próprio desenvolvimento dos personagens se torna fantástica. True Detective tem todas as características de uma boa série viciante: Uma história interessante com um mistério que lhe deixa preso e cada episódio de tirar o fôlego, aquela fotografia belíssima que não tem como não encher os olhos, e principalmente personagens marcantes, ou na minha humilde opinião, um personagem marcante.

True Detective é uma ótima série, sem dúvida, mas uma das coisas que a mais torna interessante, e eu diria o dono da atenção da temporada, é o personagem Rust Cohle, o detetive interpretado fantasticamente pelo vencedor do Oscar, Matthew McConaughey. Uma das coisas que mais me encantam na produção de cinema/tv é a capacidade de interpretação dos atores, e nesta série,  Mathew mostra a que veio chamando a atenção desde o primeiro episódio.

O personagem de Rust Cohle é um homem extremamente solitário, mostrado inicialmente como um anti-social que não está nem aí pra nada. A cada palavra que solta durante uma conversa com Martin Hart, seu companheiro de caso (interpretado por Woody Harrelson), percebe-se que ele não está nem aí em fazer amizades, apenas em trabalhar no caso. Não apenas isso, Rust se mostra um cara "pessimista" e um pouco amargurado com a vida, o que se torna ainda mais enfatizado no Rust do presente, o mesmo cara fechado e solitário, mas com tudo isso agravado no seu próprio semblante de "sou superior a todos vocês".


Rust é um dos personagens mais filosóficos que eu já vi, sua aparente  insatisfação e indiferença vomitam reflexões sobre a vida.
Durante o desenvolvimento da série lembrei muito da frase de Edward Blake, o Comediante: "Quando se percebe que tudo é uma piada, ser o comediante é a única coisa que faz sentido". Talvez seja esse um pouco do lema que guiava a vida de Rust. Um cara que não tinha esperanças de uma vida "plena e feliz", e acredito que via as buscas disso como ineficazes, com dúvidas pelo próprio sentido da vida, encarava a vida com indiferença. Se dedicando por completo ao trabalho, Rust tinha algo na vida pelo que valia a pena lutar e ocupar seu tempo. 

Vendo esses comentários, pode-se pensar que é só mais um personagem "revoltado" clichê, mas Rust mostra o reflexo do eu insatisfeito, indiferente e realista. Trazendo um personagem com discursos muito além do espírito "Tyler Durden de ser". Lembra dele? Aquele personagem famosão de Clube da luta com todas aquelas frases "revolucionárias? Tudo slogan idealista.


Um comentário:

sofia martínez disse...

¡Maravilhoso! True Detective é a melhor série do momento, a segunda temporada é sensacional.