quinta-feira, 12 de junho de 2014

Rust Cohle


Quando comecei a assistir True Detective esperava uma boa série, mas acabo me deparando com uma das melhores séries que já assisti e com a certeza de como as produções cinematográficas ainda podem surpreender e não tem muita previsão de "falta de conteúdo".
A série se desenvolve em torno de dois detetives que investigaram um caso de um serial killer e 17 anos depois têm que prestar depoimentos à polícia sobre esse caso, tendo suas vidas mais uma vez interligadas. O fato da série ser narrada em períodos de tempo diferentes traz um dos seus maiores atrativos, a questão do mistério e do próprio desenvolvimento dos personagens se torna fantástica. True Detective tem todas as características de uma boa série viciante: Uma história interessante com um mistério que lhe deixa preso e cada episódio de tirar o fôlego, aquela fotografia belíssima que não tem como não encher os olhos, e principalmente personagens marcantes, ou na minha humilde opinião, um personagem marcante.

True Detective é uma ótima série, sem dúvida, mas uma das coisas que a mais torna interessante, e eu diria o dono da atenção da temporada, é o personagem Rust Cohle, o detetive interpretado fantasticamente pelo vencedor do Oscar, Matthew McConaughey. Uma das coisas que mais me encantam na produção de cinema/tv é a capacidade de interpretação dos atores, e nesta série,  Mathew mostra a que veio chamando a atenção desde o primeiro episódio.

O personagem de Rust Cohle é um homem extremamente solitário, mostrado inicialmente como um anti-social que não está nem aí pra nada. A cada palavra que solta durante uma conversa com Martin Hart, seu companheiro de caso (interpretado por Woody Harrelson), percebe-se que ele não está nem aí em fazer amizades, apenas em trabalhar no caso. Não apenas isso, Rust se mostra um cara "pessimista" e um pouco amargurado com a vida, o que se torna ainda mais enfatizado no Rust do presente, o mesmo cara fechado e solitário, mas com tudo isso agravado no seu próprio semblante de "sou superior a todos vocês".


Rust é um dos personagens mais filosóficos que eu já vi, sua aparente  insatisfação e indiferença vomitam reflexões sobre a vida.
Durante o desenvolvimento da série lembrei muito da frase de Edward Blake, o Comediante: "Quando se percebe que tudo é uma piada, ser o comediante é a única coisa que faz sentido". Talvez seja esse um pouco do lema que guiava a vida de Rust. Um cara que não tinha esperanças de uma vida "plena e feliz", e acredito que via as buscas disso como ineficazes, com dúvidas pelo próprio sentido da vida, encarava a vida com indiferença. Se dedicando por completo ao trabalho, Rust tinha algo na vida pelo que valia a pena lutar e ocupar seu tempo. 

Vendo esses comentários, pode-se pensar que é só mais um personagem "revoltado" clichê, mas Rust mostra o reflexo do eu insatisfeito, indiferente e realista. Trazendo um personagem com discursos muito além do espírito "Tyler Durden de ser". Lembra dele? Aquele personagem famosão de Clube da luta com todas aquelas frases "revolucionárias? Tudo slogan idealista.


2 comentários:

sofia martínez disse...

¡Maravilhoso! True Detective é a melhor série do momento, a segunda temporada é sensacional.

Rafael disse...

Apesar de não ter assistido todas as séries disponíveis no planeta, mas Breaking Bad está na minha lista, True Detective é a melhor sem dúvida. Atores com atuações fantásticas.